Sem aulas presenciais, a rotina das crianças parece um convite para uma interminável (e muitas vezes sem sentido) exposição às telas. Considere essas dicas abaixo para criar hábitos de tela saudável nas crianças!

Por décadas, os pais se preocupam com o impacto da tecnologia sob seus filhos, especialmente nos anos iniciais da infância. Hoje em dia, especialistas em tecnologia estão denunciando criadores de softwares e redes sociais por criarem seus produtos para serem propositalmente viciantes. Em 2018, a Organização Mundial da Saúde classificou “transtorno de jogo” como uma doença. Todos nós sabemos o que precisamos fazer: limitar o tempo de tela e monitorar o que as nossas crianças assistem e jogam. Sim, existem aplicativos para isso! Mas essas não são as melhores ou únicas ferramentas para moderar o impacto digital. Existem novas inspirações em alguns lugares surpreendentes.

Para reiniciar sua paternidade digital, aqui vão algumas perguntas que valem a pena serem feitas para si mesmos:

Como é um ótimo relacionamento com as telas? Como nós queremos que as crianças interajam com a tecnologia? Essas perguntas devem te lembrar de que você não é impotente ou indefeso. Maneiras positivas de se conectar as crianças durante o tempo de exposição às telas são diversas e fáceis, porque elas são construídas nas forças que os pais já possuem.

Vamos começar com algumas dicas para ajudar as crianças a desenvolverem hábitos tecnológicos saudáveis:

_________________________________________________________________________________________________

Conteúdo Relevante

_________________________________________________________________________________________________

Não segregue a tecnologia do restante das experiências da infância, achando que ela é uma “coisa separada” que a criança faz sozinha.

Os pais tem o costume de segregar o tempo de tela na intenção de balancear e fortalecer as experiências fora da tela que as crianças têm. Mas fazendo com que a “hora da tecnologia” seja algo que as crianças façam sozinhas, acaba transforma toda a percepção que elas têm sobre a tecnologia e então elas começam a separá-la das interações familiares positivas.

No final das contas, esse isolamento pode se tornar tóxico, com um maior foco dado às telas. Além disso, as crianças acabam se acostumando a “fazer tudo sozinhas” ou a ir para seus grupos de colegas quando tem dúvidas sobre o mundo digital, excluindo os pais dessa relação.

 

tempo-telaInteraja por um tempo durante o uso da tela

Crianças, especialmente as mais novas, QUEREM compartilhar e falar sobre as suas experiências no mundo. Isso ajuda a construir os laços familiares e criar uma expectativa positiva neles de que você estará lá durante e depois do tempo de tela. Essa expectativa de que eles irão conversar com você, também ativa a “responsabilidade”. As crianças precisam lembrar do que viram e experimentaram para conseguir manter uma conversa, isso promove o desenvolvimento das redes neurais e permite que as crianças usem o cérebro “de verdade”, ao invés de ser só um “zumbi” assistindo um vídeo.

 

Desenvolva a autoconsciência durante o uso da tecnologia

Se as crianças conversam com você sobre o que estão sentindo e pensando enquanto utilizam as telas, elas irão começar a notar o que estão sentindo e pensando enquanto usam as telas. Isso ajuda as crianças a criar os seus próprios filtros para os conteúdos que consome! Elas também se tornam espectadores e usuários mais exigentes, para que você não precise se tornar o/a policial de tela.

 

Para ter uma boa paternidade digital, comece incluindo algum tempo de tela em família e dando à criança novas maneiras de se conectar com as histórias na tela. O melhor disso tudo, é que ensina a criança a trabalhar a mente antes dos dedos no celular.

Antes de apertar o botão do play, uma boa ideia é “preparar” as crianças para essa nova e divertida maneira de usar as telas. Comece dizendo algo como: “Hoje vamos fazer algo especial e assistir ou jogar juntos! Vamos observar tudo que gostamos, o que não gostamos e porquê.”

Abaixo estão algumas dicas para praticar a “conversa sobre as telas” em casa:

  • Use sua “voz de livro de história”. Durante a conversa, você precisa usar essa sua voz especial para encorajar, persuadir e provocar respostas. Quando estamos lendo histórias de dormir para as crianças, não falamos num tom monótono, muito pelo contrário, nós aproveitamos o tempo compartilhado e os abraços, utilizando um tom carinhoso e brincalhão.
  • Interaja e converse durante o tempo de tela. Uma das piores partes de passar um tempo na frente das telas, é que geralmente é um tempo sedentário e solitário. Se você assiste um vídeo ou joga junto com seu filho, você dá a ele uma ideia totalmente nova sobre como esse tempo pode ser. Não quer dizer que você precise ver absolutamente tudo com seu filho, mas divida essa experiência por pelo menos 2 vezes por semana. Mais uma dica: escolha algo que você já viu ou jogou para a sua primeira experiência.
  • Aponte os detalhes e compartilhe as ideias. Durante uma história, as crianças podem fazer perguntas ou apontar para uma cor, objeto ou personagem que elas gostem. Você contribui com perguntar caprichadas, talvez tentando trazer experiências da vida real para o livro. Quando a criança apontar para a imagem de um cachorro e dizer: “Cachorrinho!”, você pode dizer: “Sim, e nós vimos um cachorro no parque hoje também! Qual era a cor do cachorro que vimos no parque? E qual a cor desse cachorro aqui?”. Esse mesmo tipo de interação pode acontecer facilmente durante um jogo. Todas as palavras contas na primeira infância e quanto mais palavras são compartilhadas com os pais, melhor!
  • Faça perguntas. Você pode dar uma pausa e fazer as perguntas ou perguntar enquanto fazer a atividade. “O que você acha que aconteceu lá?”, “Que tipo de animal é aquele?”, “Porque ela disse aquilo?”, “Qual a cor daquilo?”. Você só quer que seu filho se acostume a ouvir perguntas e responder ou fazer perguntas enquanto assiste. Crianças são inteligentes, são esponjas de informação! Mais uma dica: se a criança te perguntar o que aconteceu na história, tente devolver a pergunta: “O que você acha que aconteceu?”. Você pode ate mesmo ver as cenas novamente em câmera lenta com ela para procurar por pistas juntos.

 

O processo de exploração centrado nas crianças que você utiliza durante os momentos de leitura de histórias pode facilmente ser replicado para as telas e tornar esse um momento mágico de aprendizado para a criança. Você só precisa permitir que o mesmo laço de conforto, carinho e curiosidade cresça em volta de histórias numa tela, independente de serem um vídeo, jogo ou aplicativo. Ensinar a criança a utilizar as telas de uma maneira saudável pode trazer novos jeitos simples e positivos de se conectar com seu filho, além de melhorar os laços familiares, pensamento crítico e empatia da criança, mudando completamente a maneira que elas utilizam as telas.

Só não esqueça de ligar a mente antes da tela!

 

 

 

Traduzido e editado

Fonte: Thrive Global

Direitos de Imagem: Freepik