A fala é a base da vida. Usamos a fala de várias maneiras, desde pedir orientações até expressar nossos sentimentos e tudo o mais. Crianças com síndrome de down têm dificuldade em desenvolver a fala, mas podem e irão aprender a se comunicar.

 

Crianças com síndrome de down frequentemente começam a fala de palavras isoladas entre os dois e três anos de idade, mas a idade da primeira palavra varia.

A maioria das crianças com síndrome de down se comunica desde o nascimento chorando, olhando e gesticulando. Eles têm o desejo de se comunicar e aprender que chorar ou fazer sons pode afetar seu ambiente e trazer ajuda, brincadeiras e atenção.

Muitas crianças com síndrome de down entendem a relação entre uma palavra e um conceito aos 10-12 meses de idade. No entanto, nessa idade, a criança geralmente não tem habilidades neurológicas e motoras desenvolvidas para ser capaz de falar. É por isso que é importante fornecer outro sistema para que a criança possa se comunicar e aprender a língua antes de ser capaz de falar.

_______________________________________________________________________________________

Conteúdo Relacionado

_______________________________________________________________________________________

Confira nossas dicas abaixo:

 

1. Rimas e Canções Infantis

Rimas e canções infantis são divertidas e interativas. Eles tendem a ter letras e melodias cativantes com palavras repetitivas.

Isso dá a seu filho a oportunidade de aprender de uma maneira diferente do que apenas usando a fala e, uma vez que todos nós aprendemos de maneira diferente, oferecer essas opções, definitivamente encorajará a fala.

 

2. Lendo Livros Para Eles Todas as Noites

Ler tem tantos benefícios, que simplesmente é impossível dar errado com um bom livro.

Isso os ajuda a usar a imaginação, aprender novos termos de vocabulário, aprender sobre vozes expressivas, fazer perguntas e muito mais. Seja o mesmo livro todas as noites ou diferentes a cada dia, a leitura é uma excelente maneira de encorajar a fala.

 

3. Coordenação Motora Começa nas Mãos Antes da Boca

Muitos estudos foram feitos sobre os benefícios da relação entre o movimento físico e o aprendizado. No livro, Ensinando com o Cérebro em Mente, de Eric Jensen, ele discute como o movimento físico ajuda a aumentar o aprendizado em crianças com necessidades especiais.

Muitos professores descobriram que programas que incluem movimentos físicos ajudam alunos com necessidades especiais. Várias hipóteses podem explicar esse fenômeno. Muitos alunos com necessidades especiais estão presos a estados mentais contraproducentes, e o movimento é uma maneira rápida de mudá-los. Em segundo lugar, os movimentos, como aqueles envolvidos em jogos ativos, ativarão o cérebro em uma ampla variedade de áreas. Pode ser a estimulação dessas redes neurais que ajuda a desencadear algum aprendizado. Para outros alunos, pode ser o aumento da energia, o aumento do fluxo sanguíneo e as aminas que os deixam com melhor humor para pensar e recordar. Algumas rotinas que exigem movimentos mais lentos podem fazer o contrário, acalmando os alunos que estão hiperativos e, portanto, proporcionando um estado de concentração.

Um estudo realizado em 2003 descobriu que crianças com dislexia foram ajudadas por um programa de movimento. Aqueles no grupo de intervenção mostraram melhora significativamente maior na destreza, leitura, fluência verbal e fluência semântica do que o grupo de controle. O grupo de exercícios também obteve ganhos substanciais em testes nacionais padronizados de leitura, escrita e compreensão em comparação com os alunos do ano anterior.

                                                       – Ensinando com o Cérebro em Mente, 2ª Edição de Eric Jensen

 

4. Brincadeira Vocal com Sons de Animais, Veículos, etc …

Usar sons parece ser uma parte natural da fala.

Os sons se transformam em palavras, as palavras se transformam em frases e as frases se transformam em histórias e em uma capacidade geral de comunicação com o mundo.

 

5. Elogie por Qualquer Tentativa Verbal ou Aproximação de Palavra

Não é segredo que as crianças adoram elogios. Os objetivos da fala não são diferentes de qualquer outro objetivo. No início, os sons começam como uma aproximação de uma palavra, depois trabalhamos para aprimorá-los e com o tempo eles se tornam mais exatos.

Se seu filho tem dificuldade para falar, precisamos elogiá-lo pelos sons / palavras que ele faz. Isso ajudará a encorajar ele a fazer mais sons e, quem sabe, palavras.

Agora, não estamos necessariamente dizendo elogios aos sons incorretos que seu filho faz, mas para encorajá-los a melhorar seus sons, onde quer que estejam em seus objetivos.

 

6. Seja Consistente na Configuração da Rotina Diária Para Permitir Oportunidades de Usar a Linguagem

Diariamente ao abrir a porta do carro para ir a lugares, pratique palavras simples como “abrir”, “sair” e “ir” e certifique-se de tentar fazer a criança imitá-lo todas as vezes.

Pense nisso como um narrador à sua porta. Descreva o que você está fazendo e, se seu filho repetir alguma de suas palavras ou tentar usar uma palavra própria para descrever a situação, elogie os esforços dele. Esta também é uma chance de fazer seu filho imitar o que você está dizendo. Usando o exemplo acima, enquanto entra no carro, sua conversa poderia ser mais ou menos assim:

Pai: Ok filho, vamos fazer nossas tarefas? Você pode dizer tarefas?
Criança: (a criança usa uma aproximação da palavra tarefas)
Pais: Isso é muito bom. Você gosta de fazer tarefas?
Criança: (a criança acena com a cabeça)
Pai: Ok, vamos abrir a porta. Você pode dizer abrir?
Criança: (a criança usa uma aproximação da palavra abrir)

 

 

Esperamos que essas dicas ajudem você a encontrar algumas ideias novas e úteis para incentivar a fala dos pequenos com síndrome de down.

Sabemos que alguns dias parecerão que absolutamente nenhum progresso foi feito e pode parecer que você está retrocedendo, mas em outros dias você verá esse progresso e saberá quanto valeu todo o trabalho para chegar lá e vocês dois podem comemorar.

 

Dúvidas, sugestões ou mais dicas?

Compartilhe com a gente nos comentários abaixo

 

 

 

Leitura adicional:

  1. Fonoaudiologia, Sociedade Nacional de Síndrome de Down
  2. Ensinando com o Cérebro em Mente, 2ª Edição de Eric Jensen

 

Traduzido e editado.

Fonte: Boise Speech and Hearing

Direitos de Imagem: Foto de Kampus Production no Pexels

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *