“Mas fono, até que idade é normal meu filho falar errado?”

Muitas mamães e papais me fazem essa pergunta, as preocupações e dúvidas sobre o desenvolvimento dos pequenos são inúmeras, e eu vou tentar responder algumas delas para vocês.

Quando a criança está começando a falar, é natural que ainda não consiga produzir todos os sons da língua, por isso nos primeiros 5  anos do desenvolvimento da linguagem é esperado que ela troque alguns sons ou letras mais difíceis, por aqueles que ela já consegue produzir com facilidade.

A partir dos 3 anos de idade, aproximadamente, a criança ainda mantém algumas trocas de sons na fala, mas os pais e as pessoas que convivem com ela aprendem a “traduzir” sua fala, pois os erros que a criança comete costumam ser sempre os mesmos (p.ex., a criança sempre troca o “X” pelo “S”).

Aos quatro anos, com o desenvolvimento do sistema auditivo e motor, a criança já consegue pronunciar a grande maioria dos sons da língua, mesmo que ela apresente ainda algumas trocas dos sons da fala. Aos 5 anos, espera-se que a criança fale corretamente a grande maioria dos sons da fala.

 

E se as dificuldades de fala persistirem, como posso ajudar o meu filho?

Se a criança persistir com trocas de sons na fala além da idade que é esperada, pode ser que afete a sua alfabetização e cause prejuízos em seu desempenho escolar. Por isso, ao menor sinal de dúvida, mantenha a calma e procure um fonoaudiólogo especialista!

Quanto antes este profissional for consultado, melhores são as chances de prevenir dificuldades escolares e alcançar o melhor desempenho de cada criança.

 

Nós preparamos um ebook explicando em mais detalhes os marcos do desenvolvimento infantil, fique por dentro do desenvolvimento do seu pequeno e não hesite em procurar ajuda profissional sempre que necessário.

BAIXAR EBOOK

Referência: FONOAUDIOLOGIA, Sociedade Brasileira de. Respostas para perguntas frequentes na área de linguagem. São Paulo, out 2012. Disponível em: http://www.sbfa.org.br/portal2017/themes/2017/faqs/faq_linguagem.pdf. Acesso em: 17 out. 2017.